Município de Aljustrel - Terra Viva

Iniciativas

Vídeo Promocional - Aljustrel, Terra VivaGabinete Apoio ao EmigranteAgenda 21Ambiente - Eco AljustrelViniculturaCPCJAJulgado de PazConselho SolidárioPrograma Aljustrel JovemUnidade Móvel de SaúdePatrimónio MineiroJornal Aljustrel Terra VivaGEO_FPIIFRRULinha Verde

Artes plásticas

16 de novembro

Ler Artigo

Norberto Nunes - O Contador de Histórias expõe no espaço Oficinas

Artes plásticas

Artes plásticas

As Oficinas de Formação e Animação Cultural, em parceria com o MAC-Movimento Arte Contemporânea, inauguram no dia 16 de novembro, pelas 18 horas, a exposição de pintura e escultura de Norberto Nunes - O contador de histórias.

Esta inauguração contará com a participação especial dos jovens, Gonçalo Narciso (guitarrista) e Beatriz Guisado  do NAIPE - Grupo de Teatro da Biblioteca Municipal).

Nascido, em maio de 1942, na Beira Litoral, Portugal, Norberto Nunes foi viver aos 2 anos para Lisboa, onde frequentou o curso de pintura na Escola de Artes Decorativas António Arroio, tendo tido em simultâneo aulas de pintura com o pintor Roberto de Araújo na Sociedade de Belas Artes.

Nos anos 70, Norberto Nunes foi trabalhar, durante dois anos, para a indústria cinematográfica de publicidade, no Brasil.

Em 1977, regressou a Portugal e lançou a sua própria empresa de produção de filmes, Nova Imagem, com a qual ganhou prémios nacionais e internacionais para a criação de inúmeros filmes publicitários. A partir de 1998, Norberto Nunes dedicou-se integralmente à pintura. Desde então, tem exposto as suas obras em diversos pontos do país e no estrangeiro.

A partir de 2001, o artista plástico passou a maior parte do seu tempo no Rio de Janeiro, onde começou uma série de pinturas com base na poesia de Fernando Pessoa. Recentemente, desenvolveu um conceito semelhante com base nas histórias de Hans Christian Andersen.

Segundo afirma Álvaro Lobato de Faria, diretor-coordenador do MAC, Norberto Nunes,   “prestigiado Contador de Histórias na área pictórica” e ”Mestre na capacidade de nos transportar ao âmago fascinante do nosso subconsciente e imaginário”,… tem “um lugar marcante nas artes plásticas portuguesas”.

A exposição vai estar patente até ao dia 5 de janeiro de 2019.