Município de Aljustrel - Terra Viva

Iniciativas

Vídeo Promocional - Aljustrel, Terra VivaJornal de AljustrelAgenda 21Ambiente - Eco AljustrelViniculturaCPCJAJulgado de PazConselho SolidárioPrograma Aljustrel JovemUnidade Móvel de SaúdePatrimónio MineiroGEO_FPIIFRRULinha VerdeGabinete Apoio ao Emigrante

Encontro com escrita

26 de janeiro

Ler Artigo

Índia vista sob o olhar de Napoleão Mira

Encontro com a escrita

Encontro com escrita

No âmbito da iniciativa “Encontro com a Escrita”, o escritor Napoleão Mira vai estar, no próximo dia 26 de janeiro, pelas 16 horas, no auditório da Biblioteca Municipal de Aljustrel, para apresentar a sua última obra: Olhares-Relatos da Índia.

 Nascido em Entradas (Castro Verde), em 1956, e a viver no Algarve, Napoleão Mira fundou e dirigiu, entre 1998 e 2000, a revista O Trigueirão, e foi colunista dos jornais e revista, O Campo, Diário do Alentejo, Correio Alentejo e 30 Dias.

Em 2010, debutou no mundo da escrita, com o livro Ao Sul, uma compilação das suas melhores crónicas. Em 2012, publicou o seu primeiro romance Fado e, em 2014, o livro de contos e crónicas De Coração D’Interiores. Em 2018, escreveu, em parceria fotográfica com Luís Salvador, o livro Luz de Santiago.

Napoleão Mira é membro fundador da Assesta-Associação de Escritores do Alentejo.

 Pai do conhecido cantor, Sam the Kid, Napoleão Mira também se tem dedicado à música. Para Sam the Kid criou «Pratica(mente)»e «Slides — Retratos da Cidade Branca», e em parceria com o filho, deu vida e interpretou o espetáculo «Palavras Nossas».

Em 2016, editou o CD «12 Canções Faladas e 1 Poema Desesperado». Em 2018, criou a performance de spoken word «Manual Prático Para Emoções Fortes».

Napoleão Mira tem participado em obras e espetáculos de outros artistas, nomeadamente, em 2012, nos trabalhos discográficos «Mixtape II» da banda Orelha Negra.

Neste seu último livro, Olhares – Relatos da Índia, descreve a experiência levada a cabo em duas ocasiões diferentes, 2016 e 2018, ao longo de dois meses aí passados.

No primeiro ano debruça-se sobre a sua passagem pelo Rajastão, Goa e Hampi e, no segundo, pelo Sul, por Tamil Nadu e Kerala. Esta viagem, que considera mais antropológica que turística, é o relato diário daquilo que viveu e que escreveu com as “palavras-instante”, emprestando-lhes “um cunho vivencial” para que os leitores possam viajar da maneira mais aproximada àquilo que sentiu.

Foi essa forma que encontrou para partilhar com os leitores as cores, cheiros e mistérios desta Índia de contrastes.

Olhares – Relatos da Índia  é um livro interativo, onde o leitor pode acompanhar os relatos e visualizar os locais, ao longo de umas centenas de fotos, divididas por onze episódios. Para aceder às fotografias, basta instalar num tablet ou smartphone um leitor de QRcode e, para além de um livro de relatos, o leitor passa a ter acesso às fotografias que foi tirando ao longo dessas viagens.